terça-feira, 17 de dezembro de 2013

"Persuasão" (Jane Austen) (Desafio Clássicos 2013 - Novembro): OPINIÃO!

O primeiro livro que li da autora Jane Austen foi "A Abadia de Northanger" e embora não me tenha entusiasmado muito, entretanto li outros livros desta autora, nomeadamente "Orgulho e Preconceito" que pelo seu carácter romântico me agradou e "Sensibilidade e Bom Senso" que me conquistou sem reservas. 

No mês passado voltei então a Jane Austen, desta vez com "Persuasão" e eis que sou agarrada logo desde a primeira página ficando em mim aquela sensação intuitiva de que vem aí uma leitura que me irá apaixonar e, terminado o livro posso garantir que não me enganei, sendo que este clássico se revelou uma verdadeira surpresa, tendo em conta que os clássicos nem sempre se revelam leituras fáceis ou compulsivas. No caso de "Persuasão" a leitura pautou-se pela sua fluidez e, não obstante, o registo de crítica social inerente à maioria dos clássicos, revelou-se igualmente uma leitura apaixonante.

Em "Persuasão" a acção desenrola-se em pleno século XIX e dá-nos a conhecer, por um lado, a família Elliot e, por outro, uma história de amor do passado que o destino por artes mágicas faz reacender e ter uma nova oportunidade.

Sr. Elliot é um inglês abastado que face à perda de algumas das suas posses se vê obrigado a mudar de residência e a alugar a sua estimada casa de família e eis que os novos inquilinos escolhidos são familiares do Capitão Wentworth, o grande amor de Annie, filha do Sr. Elliot. 

Circunstâncias do passado, bem como pressões exteriores, condenaram o amor de Annie Elliot e do Capitão Wentworth ao fracasso, sendo que com esta reviravolta do presente, Wentworth voltará a fazer parte do circulo social de Annie o que acabará por aproximá-los.

Contudo, esta aproximação não é instantânea e ao longo da leitura de "Persuasão" vamos assistindo à forma como este casal lida um com o outro, como se comportam, os seus medos resultantes do passado e a inquietação de um sentimento que afinal parece ter permanecido embora tenham passado oito anos desde a altura em que as suas vidas seguiram rumos diferentes.

Através de uma escrita ritmada e de uma narrativa que alia sentimento à crítica social, Jane Austen consegue levar o seu leitor por uma leitura repleta de inteligência e aconchego. As suas descrições da época, dos comportamentos, das reuniões sociais, das ligações familiares e do ambiente envolvente conferem um prazer adicional a esta leitura.

A forma como Jane Austen consegue traçar um retrato da época tão real e perspicaz é deveras cativante e apesar da crítica social estar sempre implícita e de a autora focar temas absolutamente sérios e pertinentes, a verdade é que consegue igualmente inserir rasgos de humor através das suas personagens.

Assim sendo, as personagens são múltiplas e cada uma se reveste de uma importância particular para o desenrolar da acção e para a riqueza da narrativa.

Não podendo fazer uma comparação com todos os outros livros da autora por ainda ter dois por ler, a verdade é que este "Persuasão" afigura-se-nos como um livro mais maduro, possivelmente por se tratar do último livro escrito pela autora antes da sua morte, sendo que durante a leitura deste clássico senti um fascínio intenso pela personagem feminina que revela uma personalidade e um comportamento absolutamente especial.

Em suma, "Persuasão" entra para o grupo dos meus clássicos preferidos de 2013, ficando a vontade de me aventurar pelas páginas dos outros dois livros da autora que tenho cá por casa ("Emma" e "Mansfield Park"). 

CLASSIFICAÇÃO: 6. Excelente!


1 comentário:

Diemy* disse...

Sou uma grande fã de Jane Austen, embora ainda só tenha lido dois livros (Orgulho e Preconceito e Persuasão) e visto algumas adaptações. Persuasão fascinou-me quando vi a adaptação de 2007. Decidi ler o livro e apaixonei-me novamente. É uma história com menos arrebiques do que Orgulho e Preconceito, nomeadamente nas falas das personagens mas isso talvez seja por causa da autora estar doente no momento em que o escreveu. No entanto, considero que é o livro no qual se nota mais a crítica social através das caricaturas que são feitas aos momentos sociais e às personagens. Esta obra é uma das minhas favoritas de Jane Austen. Eu ainda não li Emma, mas a minha mãe já o fez e por isso, não querendo estragar-lhe o entusiasmo mas prepare-se para muito cochicho. xD
Boa crítica! Psrabéns e continuação! Beijinhos