sexta-feira, 8 de novembro de 2013

"Quando o Cuco Chama" (Robert Galbraith): OPINIÃO!

Robert Galbraith é o pseudónimo da famosa autora J. K. Rowling e não fosse uma fuga de informação, a identidade sobre este novo autor de policiais ainda se manteria, mas a verdade é que este pequeno mistério foi desvendado e ao saber-se a verdadeira identidade por detrás de "Quando o Cuco Chama" gerou-se uma onda de curiosidade quanto a esta nova vertente policial da autora. Os leitores ficaram expectantes, na ânsia de descobrir se o talento de J. K. Rowling também se estendia a este género literário tão apreciado.

Não conheço J. K. Rowling na sua vertente de literatura juvenil com a sua tão aclamada série "Harry Potter", mas já tive a oportunidade de absorver a sua vertente de escritora de romances para adultos em "Uma Morte Súbita" que apreciei pela sua escrita directa, por vezes dura e pela sua narrativa repleta de relações afectivas e tensões sociais, pelo que embarquei na leitura de "Quando o Cuco Chama" com curiosidade, mas sabendo logo à partida que por se tratar de um policial não iria ter pontos de comparação, o que me deu asas para ler este livro com liberdade total.

"Quando o Cuco Chama" tem um início marcante já que o leitor depara-se logo com um cenário intenso: a jovem modelo Lula Landry jaz morta na rua cheia de neve. Suspeita-se que se suicidou atirando-se da varanda do seu apartamento. Ninguém viu nada de suspeito. Lula mantinha uma relação amorosa conturbada e demonstrava sinais de instabilidade mental pelo que a tese de suicídio é automaticamente abraçada pela polícia que encerra o caso sem diligências extra. Acontece que John Bristow, irmão de Lula, não acredita que ela se suicidou, aliás está convictamente convencido de que Lula foi assassinada e quer que o culpado seja identificado e castigado pelo seu crime e eis que é neste contexto que Bristow procura a ajuda de Cormoran Strike, um veterano de guerra que agora é detective privado, para encontrar a verdade sobre este caso.

Cormoran vive dias difíceis: acabou uma relação amorosa pautada pela tensão, não tem clientes no seu escritório, está endividado e como não tem onde morar acampa no seu local de trabalho, enquanto lida com as suas lutas internas e consequências físicas e psicológicas decorrentes da guerra. Estando num momento da vida particularmente complexo, surge a jovem Robin, a nova secretária enviada por uma empresa de trabalho temporário e é no seu primeiro dia de trabalho com Strike que surge então o novo cliente: John Bristow. Embora reticente quanto ao caso, Strike acaba por aceitar por causa do dinheiro e tendo o suposto suicídio ocorrido há mais de três meses e não havendo provas físicas para investigar, Strike envereda por uma investigação centrada no interrogatório às pessoas próximas de Lula, para assim conseguir reconstituir todos os passos da modelo no dia da sua morte e desvendar a verdade.

Assim, "Quando o Cuco Chama" leva-nos por uma narrativa marcada por uma investigação vincadamente assente no raciocínio, na capacidade de análise e na indução, o que faz recordar ao leitor os tão famosos policiais clássicos de autores como, por exemplo, Agatha Christie. 

É através dos interrogatórios que vamos ficar a conhecer as várias personagens próximas de Lula Landry, sendo que Robert Galbraith (J. K. Rowling) assenta a sua narrativa na descrição das várias personalidades, das suas reacções, dos seus comportamentos, das suas verdades e mentiras, traçando ao mesmo tempo um retrato bastante real das vidas que rodeavam Lula.

Tendo em conta que Lula era uma modelo jovem e famosa, acabamos por entrar nos meandros da moda, bem como na pressão exercida pelos media, as perseguições e a violação da privacidade. Ao mesmo tempo e, através de determinadas personagens, somos levados para o mundo do álcool, da droga e da violência doméstica, o que acaba por tornar "Quando o Cuco Chama" num policial que abarca temáticas profundas e duras que conferem uma intensidade marcante à leitura.

Apraz-me ainda dizer que a forma como Robert Galbraith (J. K.  Rowling) criou as personagens revela uma criatividade e perspicácia apurada, pois Cormoran Strike e a sua secretária Robin revelam personalidades fortes e, através de um trabalho conjunto, conseguem desvendar a verdade por detrás da morte de Lula.

Tratando-se do primeiro volume da série Cormoran Strike, é com inteligência que Robert Galbraith (J. K. Rowling) deixa em aberto alguns aspectos sobre certas personagens colocando na mente do leitor a questão sobre o que irá acontecer num segundo livro.

Em suma, "Quando o Cuco Chama" não se trata de um policial convencional com um ritmo de leitura alucinante, mas a verdade é que brilha pelas suas personagens, pelas suas descrições, pelos diálogos onde por vezes despontam momentos de humor, ao mesmo tempo que somos levados por um enredo onde as engrenagens do raciocínio funcionam ritmicamente, onde vão surgindo vários suspeitos, onde novas revelações vão sendo feitas para culminar num desfecho inesperado.

CLASSIFICAÇÃO: 5. Muito Bom!

«Para mais informações consulte o site da Editorial Presença aqui.»
«Para mais informações sobre o livro Quando o Cuco Chama, clique aqui.» 


1 comentário:

Noir en Blanc disse...

Tenho muita curiosidade relativamente a este livro. Até agora, todos os livros que a J. K. Rowling lançou depois do Harry Potter (do qual sou grande fã) não me tinham despertado muito interesse. No entanto, quero muito ler este livro.