sábado, 16 de novembro de 2013

"Cartas da nossa paixão" (Karen Kingsbury): OPINIÃO!

Antes de ter este cantinho Refúgio dos Livros lia pontualmente e a verdade é que andava a saltitar sempre entre autores, mas quando comecei a ler com maior regularidade e a paixão pelos livros se foi instalando em mim começaram a haver autores que decidi seguir com maior atenção e, normalmente, quando leio um primeiro livro de um autor e este me conquista com a sua narrativa, tendo a ficar atenta quando novo livro seu é lançado, situação essa que aconteceu com Karen Kingsbury: depois de ter lido "Dois anos e uma eternidade" e de me ter deliciado com a narrativa fortemente emocional, foi com curiosidade que li a sinopse do seu mais recente romance - "Cartas da nossa paixão" e que ficou em mim a vontade de descobrir esta nova história.

Quando nos deparamos com uma sinopse que nos levanta a ponta do véu sobre a história de dois adolescentes que devido a uma situação familiar terão de se separar e que marcam um reencontro no seu local especial onde enterram duas cartas que escreveram um ao outro sobre o que sentem para daí a onze anos, a verdade é que o coração do leitor mais sentimental palpita (caso que aconteceu comigo) e o formigueiro da curiosidade intensifica-se na ânsia de descobrir como será esse reencontro (se irá acontecer ou não) e de saber como será a vida destes jovens (Ellie Tucker e Nolan Cook) durante os anos que irão viver separados.

Embora a premissa de "Cartas da nossa paixão" seja um pouco inverosímil (esperar tanto tempo - onze anos - por um reencontro e acreditar que o sentimento partilhado por dois jovens se irá manter apesar da distância e da ausência de contacto), o leitor deixa-se envolver na mesma na história e se este leitor for um romântico acabará por torcer secretamente para que este reencontro aconteça e se transforme numa bela história de amor entre Ellie e Nolan.

Mas enquanto a data do reencontro não chega, a autora Karen Kingsbury dá-nos a conhecer dois jovens com uma amizade profunda que partilham um outro sentimento que ainda estão a descobrir e que são obrigados a separarem-se devido a um drama que acontece no seio familiar de Ellie. Quando o pai de Ellie descobre que foi traído pela esposa decide mudar-se para San Diego levando conseguido uma Ellie destroçada por deixar a mãe sem qualquer despedida e por ter de deixar Nolan. 

Embora Ellie e Nolan tentem manter contacto, a verdade é que o pai de Ellie arranja forma desse contacto não se estabelecer e assim começamos a assistir ao desenrolar da vida destes jovens: se, por um lado, Ellie se debate com uma relação tumultuosa com o pai e com uma adolescência muito particular que conduz a uma gravidez e a um trabalho como cabeleireira que em nada se assemelha ao seu sonho de sempre de escrever um livro, por outro, Nolan consegue realizar-se profissionalmente e tornar-se um fantástico jogador de basquetebol. Vendo as vidas destes dois jovens começamos a aperceber-nos que traçaram trilhos bastante diferentes e torna-se inevitável a questão: será que caso se reencontrem existirá ainda aquele sentimento da adolescência e quaisquer afinidades?

Para além de uma história de amizade entre dois adolescentes, "Cartas da nossa paixão" é também um livro sobre relações familiares, sobre laços afectivos, sobre comportamentos, escolhas e suas consequências. Quando Ellie é levada para San Diego pelo seu pai, para trás fica uma mãe absolutamente perdida, que vê a sua família colapsar devido a um erro seu (um caso extra-conjugal que resulta numa gravidez fora do casamento) e que durante semanas, meses e anos escreve à sua filha não obtendo qualquer resposta. A verdade é que esta ausência de contacto deixa a mãe de Ellie sem saber o que fazer, questionando-se se a falta de resposta significa que a sua filha não a perdoou e, no outro lado, encontramos uma Ellie que julga que a mãe simplesmente a esqueceu e não quer saber dela já que não a contacta nem a procura. Quando o leitor descobre por que é que Ellie e a mãe não conseguiram manter o contacto, o seu coração congela por uns segundos até que retorna à vida e se questiona como é que certas atitudes têm o poder cruel de provocar tantos mal-entendidos e sofrimento.

A narrativa que nos é trazida pela autora Karen Kingsbury acaba por ter vários núcleos de personagens, cada um com a sua dinâmica particular e especial e com as suas relações únicas, sendo que acabamos por nos deparar com um enredo repleto de escolhas, vidas alteradas e reencontros.

Através de uma escrita fluída e de um enredo especial, Karen Kingsbury brinda-nos ainda com a presença de Ryan e Molly (personagens centrais de "Dois anos e uma eternidade") que acabam por ter um papel preponderante no reencontro entre Ellie e Nolan.

Assim sendo, "Cartas da nossa paixão" afigura-se-nos como um livro repleto de sentimentos, com uma componente marcadamente emocional, onde sobressaem não só a amizade e os obstáculos da vida, mas também onde se revelam dramas familiares e dinâmicas relacionais transformadas por situações do passado. Além disso, a autora Karen Kingsbury pinta partes da narrativa com uma componente religiosa, abarcando questões da fé como a oração, a culpa e o perdão que aos olhos dos leitores mais cépticos pode retirar algum brilho à história. Não obstante, prevalece a teia intrincada de relações que se estabelecem ao longo da narrativa, sendo que as personagens, mesmo com os seus erros, conseguem cativar o leitor e transmitir uma humanidade intensa ao livro.

CLASSIFICAÇÃO: 4. Bom!


1 comentário:

Fernanda Pratas disse...

:) gostei muito de ler a sua opinião. isto porque ja tive varias vezes o livro na mão para comprar e de alguma forma resisto sempre. mas acho que vou mesmo apostar, porque fiquei mesmo cativada.